Chegada do 5G: o que muda para as fintechs

O normal, agora, é não ir a agências bancárias, graças ao conforto e conveniência de realizar transações de qualquer lugar por meio do smartphone. Desde pagamento de contas e gerenciamento de investimentos até transações como transferências, a digitalização do setor caminhou a passos largos ao longo da pandemia, dando mais força às fintechs e modificando estratégias dos bancos considerados mais tradicionais.

Agora, com a chegada do 5G no Brasil, o cenário financeiro ganha mais potência ao proporcionar melhor experiência ao usuário, viabilizar novos produtos e serviços e alcançar mais pessoas. Bancos digitais veem na chegada do 5G uma revolução para o setor financeiro, uma vez que abre portas para que sejam oferecidos produtos e serviços diferenciados e atualizados. A nova velocidade permite que locais que, antes não tinham acesso 3G ou 4G, tenham conectividade com mais facilidade para outras partes da população. Contudo, problemas de infraestrutura ainda existem, mas, é algo normal no momento de introdução de novas tecnologias. 

Nesta nova etapa da conectividade, com mais banda, será possível desfrutar de uma camada de serviços que demanda muitos dados, principalmente no que diz respeito à experiência do cliente, como onboarding com reconhecimento facial, transferências e transações Pix mais ágeis, além de melhorias em segurança, por exemplo. As fintechs também poderão se beneficiar de outras formas de atendimento e relacionamento com a melhoria de chatbots e demais funcionalidades de conversação.

Com alta na demanda e maior oferta de processamento de dados, também é preciso se adequar à usabilidade das plataformas digitais, o que aumenta os desafios e as preocupações de desenvolvimento para as fintechs. Neste sentido, a experiência surge como diferencial em meio ao oceano vermelho no qual o segmento de fintechs se encontra neste momento no Brasil. Entre categorias como crédito, financiamento, seguros e gestão financeira, dentre outras, o Brasil já conta com mais de 1,2 mil negócios do tipo. A informação é do Fintech Report 2022, da Distrito.

Faz parte de uma Fintech e quer agilizar seus processos? A Sciensa pode te ajudar. Fale agora com um de nossos especialistas.

Ofereça experiências omnichannel

Os clientes do setor bancário esperam experiências omnichannel excepcionais e produtos inovadores.

Implementar novas tecnologias ajuda os bancos tradicionais a mudarem para canais digitais, tornando-os mais centrados no cliente. Ser capaz de acompanhar, e exceder as necessidades do cliente em constante mudança, as alterações dos requisitos regulamentares e maiores riscos de segurança requer uma mudança de mindset.

Uma rápida transformação de negócios desenvolvida sobre uma digitalização que utiliza novas tecnologias, incluindo IA, dados e a cloud estão no centro dessa mudança.

A transformação digital e a automação ajudam os bancos a eliminarem silos para serem ágeis e mais consistentes no suporte ao cliente, oferecendo opções de autoatendimento e garantindo a confiança e a maior satisfação do cliente.

A Sciensa liderou alguns dos maiores projetos de transformação do setor ao longo dos últimos anos. Ao aproveitar a nossa expertise, os bancos podem se tornar mais centrados no cliente por meio da transformação digital e oferecer uma jornada do cliente bem abrangente entre vários pontos de contato. 

Fale com um de nossos especialistas e aprimore a jornada do seu cliente! 

Seis tendências para transformação digital nas finanças

Elementos de mudança, adaptação e reinvenção estão escrevendo a indústria financeira atual. O surgimento de novas regulamentações, oportunidades, iniciativas e nichos de mercado estão moldando o futuro do setor financeiro para oferecer grandes possibilidades às empresas. 

Alguns fatores que impulsionam esse novo caminho são vistos em tendências como a personalização, pois 76% dos clientes esperam uma resposta personalizada e 64% o fazem em tempo real. As tecnologias de automação orientada por dados, como a Inteligência Artificial (IA), ML3 e Cloud Computing, impactam os recursos e a precisão de tomada de decisões dos atores financeiros. 

Por isso, separamos as principais tendências que levam o setor financeiro à reinvenção e como os participantes do setor podem integrá-las à sua estratégia para proteger seus negócios e aproveitar ao máximo as novas oportunidades. Confira:

  1. Transformação da redução de custos e geração de renda 

Apesar de estarem imersas em um contexto definido por baixas taxas de juros, crescente pressão regulatória com diversos custos associados e acirrada concorrência no setor, as instituições financeiras precisam crescer. Para isso, devem atingir altos níveis de eficiência por meio da redução de custos e da criação de novos fluxos de renda.

  1. O Digital à frente

De acordo com o relatório “The State Of Digital Banking, 2022” da Forrester, 25% dos tomadores de decisão no setor de serviços bancários dizem que a estratégia de tecnologia da sua empresa é um dos maiores desafios deste setor em relação à sua transformação digital. A digitalização permitirá que este se torne mais eficiente, ajustar custos e posicionar-se entre a concorrência. Esse esforço é acelerado devido às mudanças na interação com o cliente, pois 46% deles usam apenas canais digitais para atender às suas necessidades financeiras e os preferem a qualquer outro canal.

  1. Uso estratégico de ecossistemas e plataformas 

As mudanças no comportamento e nas expectativas dos clientes têm sido o principal motor da transformação digital. Atualmente, os clientes esperam poder encontrar o que procuram de forma simples e rápida, seja um produto, um serviço ou uma pequena ajuda. Estes precisam ser capazes de acessar uma solução ou responder no ecossistema e na plataforma com a qual interagem.

  1. Maior  personalização 

Adotar uma abordagem personalizada, contextualizada e centrada no cliente, promove laços mais fortes com a marca e aumenta a fidelidade e o sucesso da estratégia. Para se ter ideia, 90% dos clientes esperam interações e ofertas personalizadas do seu provedor de serviços financeiros, assim como fariam com qualquer outra marca de consumo.

  1. Transformação dos métodos de pagamento

Nos últimos anos, o uso de dinheiro como método de pagamento diminuiu globalmente, pois os clientes estão mais propensos a escolher pagamentos digitais. Este fenômeno tem criado desafios e oportunidades para as entidades financeiras que procuram adaptar-se a este contexto através da reinvenção. 

  1. A importância da inclusão financeira 

Segundo o Banco Mundial, 1,7 bilhão de pessoas ainda não têm conta bancária. O uso massivo e generalizado da tecnologia, da internet e dos dispositivos inteligentes, bem como o desenvolvimento das mídias digitais dentro do setor financeiro, aceleraram os processos de inclusão financeira e permitiram o acesso aos serviços disponíveis a uma parcela da população, antes fora do sistema bancário. De acordo com um estudo da Juniper Research, essa aceleração continuará, pois o número de pessoas usando carteiras digitais crescerá de 2,3 bilhões este ano para 4 bilhões em 2024. Isso fará com que as transações entre carteiras cresçam 80% e alcancem os 9 trilhões de dólares em um ano.

No contexto atual, as organizações que pretendem ser resilientes, sustentáveis e escaláveis devem optar pelo caminho da digitalização, adaptação e, sobretudo, reinvenção.

Por falar nisso, reinventar-se não é mais uma opção. É a única maneira de sobreviver e prosperar.  As empresas precisam aproveitar ao máximo todas as informações, ferramentas e soluções que podem ajudá-las a ficar à frente da curva no setor bancário. Ao seguir essas iniciativas, eles poderão começar a desenvolver um roteiro digital detalhado, posicionando seus negócios no topo do setor financeiro agora e no futuro.

Quer transformar seu negócio? A Sciensa pode te ajudar. Clique aqui e fale com um de nossos especialistas.